terça-feira, 9 de setembro de 2014

Texto: 48 (do concurso) - O vira do Moretti

Estávamos na fazenda de um amigo, em Trabiju, interior de São Paulo. Éramos em vinte amigos. Entre outros passatempos, o costume é nos reunirmos ao redor de mesas situadas no galpão da piscina, para os bate-papos. Sobre música, cinema, esportes, política...Menos negócios!
O Moretti, médico cirurgião plástico, recuperado de sérios problemas de saúde, mineiro de Lavras, voltava ao nosso convívio, demonstrando não ter perdido sua enorme veia humorística, sempre contando casos com finais inesperados. Toda sua conversa tem início que prende o ouvinte. O final...!
Naquela ocasião, o assunto girava em torno de animais domésticos, quando ele lembrou-se do vira, nome vulgar do pássaro preto, que vivia em sua casa em Lavras. Domesticado, a gaiola tinha sua porta sempre aberta, e a ave circulava livre pela casa, voltando somente para comer e dormir. O Moretti nutria verdadeira paixão por ele. Tinha-o sempre em seu ombro.
Num determinado dia, estando o Moretti ausente, ao voltar para a casa vindo da fazenda, encontrou a gaiola no chão, e o vira deitado com uma das pernas fraturada. Estava vivo! Provavelmente, obra do gato que vez ou outra circulava pelo pedaço, e que por algum motivo não teve tempo de comê-lo. Não havendo outro material disponível, pegou dois palitos de fósforo da caixa sobre o fogão, partiu-os ao meio, e com linha fina, fez uma tala no membro fraturado da ave. Trabalho perfeito, dada a sua habilidade como cirurgião. Com o passar do tempo, o vira começou a executar breves voos, e dar alguns passinhos sobre a mesa da cozinha.
Feliz, a ave passou até a cantar, atraindo uma fêmea, e assim ambos ensaiavam uma dança.
Numa tarde, ao chegar, o Moretti encontrou seu amigo assadinho! Não é que o vira ao dar determinado passo, as cabeças de fósforo se tocaram em fricção, produzindo uma faísca de fogo. Palitos em chamas causaram a morte do bichinho, com queimaduras de terceiro grau em todo corpo.
Restou-nos uma sonora gargalhada! Só o Moretti mesmo!
Pena que, hoje, infelizmente, ele não encontra mais entre nós!

2 comentários:

Anônimo disse...

(Padrão usado em todos os textos comentados para dar a todos um tratamento igual). Fazendo pois uso dos critérios apontados no regulamento deixo aqui minha impressão: ortografia, gramática e pontuação: se há erros graves desta natureza, não percebi durante a leitura. Obviamente uma história criativa, porém o fundo humorístico poderia ter sido um pouco mais explorado de modo a causar um maior envolvimento do leitor. Bem, pareceu-me estar dentro da proposta do concurso. Avaliação pessoal: entre regular e bom. Parabéns à autora ou ao autor e boa sorte! (Torquato Moreno)

Alberto Rocha disse...

Texto muito agradável perfeitamente dentro dos parâmetros do concurso. Parabéns a quem o produziu.