terça-feira, 16 de janeiro de 2018

A Saga de um Pedro – Impressões de Leitura

Autora: Marina Alves

Carlos, acabo de ler “A Saga de um Pedro” e corro pra escrever, ainda sob a emoção da leitura, um pouco das impressões que me deixou esta obra maravilhosa. Este livro foi escrito com o coração, tenho certeza. Qualquer leitor com o mínimo de sensibilidade não ficará imune a toda essa prova de amor e vida aqui descrita em palavras. Ri, chorei em muitas partes, e depois que fechei a última página fiquei, por muitos minutos, profundamente emocionada.
Gostaria muito que seu pai ainda estivesse por aqui, para dizer-lhe o que me despertou em emoção conhecer um pouco da sua História. E que História, meu caro amigo! Acho que você conseguiu algo maravilhoso: captar nos mínimos detalhes toda esta saga intensamente vivida por seu pai. Penso que o Cinema teria material de sobra pra produzir um belíssimo filme sobre a vida deste cidadão memorável Seu “Zé das Máquinas”, figura, com toda certeza, ímpar.
Não é todo dia que se encontra um Pedro igual ao que encontrei nestas suas linhas! Fiquei impressionada com a trajetória e a movimentação deste nosso personagem vivo, intensamente vivo, em cada decisão, em cada iniciativa, em cada momento da vida. Destemido, corajoso, ávido por viver, sempre a recomeçar, sempre a continuar, sempre lutando pelo que queria, como no caso do casamento com dona Celeste. Creio, meu amigo, que poucas pessoas na vida tenham experimentado tudo do que ele foi capaz. Que legado pra vocês, a presença desse homem tão especial, à frente do seu tempo, inteligente, sagaz, empreendedor, a viver seu espírito livre e aventureiro, sem se prender às convenções, buscando ser feliz a qualquer preço.
Como você bem disse, ao se referir ao livro, um homem com seus problemas, dificuldades e falhas, mas um homem que buscou o tempo inteiro os seus caminhos, ainda que isso tenha significado também muitos desvios. Bacana demais a fé em Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que no pensamento dele, era quem o guiava. Daí, a certeza de que havia naquele coração fervoroso a vontade de acertar, mesmo quando tudo dava errado. Percebi no caráter singular, o grito do homem que primava pela justiça e não se deixava calar ante preconceito ou tratamento desigual que lhe ferisse a dignidade.
Saindo de uma comunidade pequena, ganhando o mundo, percorrendo as grandes metrópoles, fazendo de um tudo, Seu Zé não teve medo do trabalho e das adversidades. Tanta gente tem medo de tudo. Nasce e morre sufocado no mesmo lugar, com receio de enfrentar mudanças! Isso nunca foi coisa pra ele, não é? Fiquei admirada daquela coragem toda. Em tempos tão diferentes dos atuais, nada representava empecilho para quem sabia o que queria. Não mediu distância, nem o desconhecido, para ver o mundo de perto e correr atrás do que queria: no fundo apenas buscar o melhor para si e a família. Tanto que nunca abriu mão desta família, sempre seu porto seguro, e para a qual sempre retornava.
Sinceramente, acho que este homem que foi seu pai (e continua sendo, vivo à sua maneira) não poderia jamais ficar sem ter sua vida registrada. Ainda bem que isso foi feito com toda a sensibilidade e habilidade literária deste filho, Carlos Lopes, que muito teve para contar através do próprio pai. Agora fica ainda mais evidente o sentimento que o invade como filho, quando já não o tem mais ao seu lado. A força e vontade de viver que Seu Zé trazia consigo eram realmente incríveis.
O livro está muito bem escrito, com um quê de fidelidade impressionante, preservando as expressões, conservando a originalidade dos acontecimentos, trazendo a riqueza deste glossário que é um mundo de conhecimento. Só posso dizer que você me deu um presente imenso. Para quem gosta de ler, o maior presente é ser surpreendido pela emoção. E você conseguiu (profundamente) fazer isso.
Parabéns ao Seu José por ter cumprido seu destino com luta e amor, e por isso mesmo ter merecido tão bela homenagem; parabéns a você por tê-la escrito de forma tão bela, parabéns aos amigos, Celêdian e Carlos Costa que deram um toque perfeito ao, respectivamente, apresentar e prefaciar essa obra que certamente fará parte da História dos Pedro e de todos que tiverem o privilégio de conhecê-la. Impossível não se deixar arrebatar pelo fascinante universo desta história real que, com toda honra e orgulho, é a sua história e a de sua família.

Autora: Marina Alves - Lagoa da Prata/MG

Página da autora:

http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=64920

Publicação autorizada pela autora





sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Uma viagem literária/Pirapora-MG

Augusto Sampaio Angelim

Todas essas fotos são de Pirapora/MG. Importante cidade ribeirinha do São Francisco e presença marcante na obra de Guimarães Rosa. 
Esse vapor que aparece na foto tem 100 anos e é o único no mundo em sua categoria que continua navegando. Veio dos Estados Unidos aonde navegava nas águas do Rio Mississipi. Transportou milhares de pessoas ao longo dos anos entre Pirapana e Bom Jesus da Lapa, na Bahia.






Link:

No apito do Vapor
Vapor Benjamim Guimarães
Pirapora Década de 50