domingo, 2 de novembro de 2014

O Natal Inesquecível - Autora: Chila Alves

Em um Natal no começo da década de cinquenta, meus pais decidiram trazer a nós, o encanto do Papai Noel. Papai fez duas armações de madeira e pintou de azul e mamãe fez duas redinhas com estampas diferentes e vestiu ricamente, como bebes duas bonequinhas de louça.
Na véspera do Natal, mamãe nos levou até a cozinha e nos contou sobre o "bom velhinho". Minha irmã mais velha entendeu melhor, pois estava com quatro anos, eu com dois, sem contar que a caçula tinha apenas seis meses. Mas mamãe falava com tanto encanto que só poderia ser algo maravilhoso! Disse que nossos sapatinhos deveriam ser deixados na janela. Mas naquela noite choveu. Então com delicadeza, os colocou na parte mais baixa do fogão á lenha. Os de minha irmã que eram de verniz preto, as minhas sandálias brancas e do bebê que eram de tricô.  Com carinho nos disse:
-Como está chovendo, vamos deixar aqui, com a janela um pouquinho aberta, para que o Papai Noel possa espiar e ver os sapatinhos...
Por volta das dez horas, dormíamos e ela nos acordou:
-Acordem, venham ver!... O Papai Noel já esteve aqui!
Ansiosas, corremos até os sapatinhos e encantadas vimos os brinquedos. Para o bebê, ele deixou bolachas, das que mais gostava.
Emocionados nossos pais nos observavam. Ela voltou-se para ele e disse:
-Vá buscar o Jepp enquanto as arrumo!
Faltavam poucos minutos para a meia noite, quando seria rezada a missa-do-galo. Papai parou ao lado do jardim da igreja sob uma frondosa árvore. Emocionados, adentramos a igreja ao som da música Noite Feliz, cantada pelo coro das Filhas de Maria.  
Ele me levava no colo e mamãe o bebê. Minha irmã ficou no meio, com todos entreolhando-se, envolvidos em imensa felicidade.

Autora: Chila Alves - Santo André/SP

Um comentário:

Alberto Rocha disse...

Parabéns Chila pela maneira como você descreveu essa pequena parte da sua biografia. Possivelmente foi esse clima de harmonia familiar que fez com que você se tornasse a pessoa amável que é.