segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

UMA VIAGEM LITERÁRIA/FOTOS GRÃO-MOGOL/MG



GRÃO-MOGOL é uma encantadora cidade do norte de Minas Gerais em razão de suas belezas naturais e de sua arquitetura colonial. Situada numa das abas da Serra do Espinhaço (ou Serra Geral ou da Bocaína), cortada pelo Rio Itacambiruçu e vários outros cursos de água. Sua arquitetura em pedra lhe confere um ar bucólico e original. A cidade é pequena mas conta com várias pousadas e tem um bom hotel (Paraíso das Águas). Merece destaque o Parque Estadual de Grão-Mogol com sua rica biodiversidade e trilhas instigantes. O revelo é montanhoso e a vegetação é típica do cerrado de altitude, aonde se encontra o Pequizeiro, a Mangaba, Cagaita e outras fruta, além de diminutas e lindas espécies de orquídeas. Quanto à fauna, é possível encontrar lobo-guará, tamanduá bandeira, tatú canastra e macaco sauá, entre outros. Do ponto de vista histórico a cidade teve seu desenvolvimento ligado à mineração, pois é berço de cobiçados diamantes e teve suas cercanias revolvidas por garimpeiros de todas as origens desde 1768 quando chegou à Diamantina/MG, a notícia de que tinham achado diamantes naquelas serras. Conta-se que o famoso contratador JOÃO FERNANDES DE OLIVEIRA, marido de CHICA DA SILVA, esteve nesses idos na região à procura de pedras preciosas e que a região se tornou palco de sangrentos conflitos pela posses de terras e veios minerais, havendo a Coroa Portuguesa reprimido os rebeldes e desaforados com a construção de vários quartéis na região, que ficou conhecida como Chapada dos Quartéis e vários toponimos da região demonstram isso, tais como o Ribeirão do Inferno e o Córrego das Mortes. Dada sua riqueza biológica, a cidade foi visitada pelos naturalistas SPIX MARTIUS e SAINT HILARIE, no começo do século XIX. No próximo comentário falarei sobre o Barão de Grão Mogol e de sua famosa trilha. 
























Conceicao Gomes Muito bom, gosto das narrativas históricas.
Gerenciar
CurtirMostrar mais reações
Responder7h
Alberto Vasconcelos Eu vi uma reportagem nessa cidade feita por Fernando Gabeira.
Gerenciar
CurtirMostrar mais reações
Responder5h
Marina Alves Muito bacana! Uma viagem, a narrativa. Parabéns!
Gerenciar
CurtirMostrar mais reações
Responder5h
CurtirMostrar mais reações
Responder6h


3 comentários:

Augusto Sampaio Angelim disse...

Amigo Carlos, essas fotos são todas da Cidade de Grão-Mogol, a terra dos diamantes. Botumirim é uma cidade vizinha e postei imagens de sua zona rural.
Grao-Mogol tem uma rica história política e econômica, que vale ser conhecida pelos nossos leitores.

Augusto Sampaio Angelim disse...

GRÃO-MOGOL é uma encantadora cidade do norte de Minas Gerais em razão de suas belezas naturais e de sua arquitetura colonial. Situada numa das abas da Serra do Espinhaço (ou Serra Geral ou da Bocaína), cortada pelo Rio Itacambiruçu e vários outros cursos de água. Sua arquitetura em pedra lhe confere um ar bucólico e original. A cidade é pequena mas conta com várias pousadas e tem um bom hotel (Paraíso das Águas). Merece destaque o Parque Estadual de Grão-Mogol com sua rica biodiversidade e trilhas instigantes. O revelo é montanhoso e a vegetação é típica do cerrado de altitude, aonde se encontra o Pequizeiro, a Mangaba, Cagaita e outras fruta, além de diminutas e lindas espécies de orquídeas. Quanto à fauna, é possível encontrar lobo-guará, tamanduá bandeira, tatú canastra e macaco sauá, entre outros. Do ponto de vista histórico a cidade teve seu desenvolvimento ligado à mineração, pois é berço de cobiçados diamantes e teve suas cercanias revolvidas por garimpeiros de todas as origens desde 1768 quando chegou à Diamantina/MG, a notícia de que tinham achado diamantes naquelas serras. Conta-se que o famoso contratador JOÃO FERNANDES DE OLIVEIRA, marido de CHICA DA SILVA, esteve nesses idos na região à procura de pedras preciosas e que a região se tornou palco de sangrentos conflitos pela posses de terras e veios minerais, havendo a Coroa Portuguesa reprimido os rebeldes e desaforados com a construção de vários quartéis na região, que ficou conhecida como Chapada dos Quartéis e vários toponimos da região demonstram isso, tais como o Ribeirão do Inferno e o Córrego das Mortes. Dada sua riqueza biológica, a cidade foi visitada pelos naturalistas SPIX MARTIUS e SAINT HILARIE, no começo do século XIX. No próximo comentário falarei sobre o Barão de Grão Mogol e de sua famosa trilha.

Ana Bailune disse...

Que gracinha de lugar! Tão cheio de história e de natureza!
Isso é cultura!