quinta-feira, 20 de março de 2014

30 anos sem meu pai. A história de uma ausência

Há 30 anos - 24/05/1982 - falecia o Professor Francisco Wanderley Dantas, meu pai. Minhas lembranças daquela distante manhã são marcantes. Era véspera do meu aniversário de 9 anos. Meu pai falecia 5 dias antes da comemoração da data natalícia daquele rapazinho que tão pouco o conhecera. Ele viajava muito e minha mãe, Leila Dantas, foi quem assumiu a maior parte da responsabilidade sobre a minha criação. Eu era o único filho e caçula, acompanhado de duas irmãs, Jeanine e Viviane.

Três ou quatro lembranças muito fortes acompanham-me até os dias de hoje: a primeira e mais antiga, eu chegando em casa da escola, ouvindo minha mãe dizer que meu pai já chegara de uma de suas viagens e que estava no quarto. Corri para lá, menino pequenino, mochila nas costas e uma lancheira de lata numa das mãos. Chegando no quarto, meu pai estava sentado na velha poltrona e me coloquei bem na frente dele. Larguei a lancheira e deixei cair a mochila no chão, pulando bem em seus braços que já se encontravam abertos para me receber. A segunda lembrança foi resultado de uma provocação que fiz, desdenhando-o bem na frente dele. Isso o tirou do sério e ele saiu correndo atrás de mim com o cinto já em sua mão. Entrei debaixo da cama, mas de nada adiantou me jogar de um lado para o outro, a surra veio certeira (e merecida!). A terceira foi quando, depois de uma discussão entre meu pai e minha mãe, esta me pediu que fosse até o quarto ficar com papai. Aproximei-me da cama bem devagarzinho, recostei-me sobre seu peito e fui abraçado por ele. Quando ergui a cabeça, vi uma lágrima que descia pelo rosto do meu pai; enfim, outra cena marcante daquela infância foi quando meu pai pediu que o porteiro do prédio enchesse o pneu da minha bicicleta caloi verde. Estava feliz com aquele presente, mas quando vi o porteiro vindo sentado e pedalando na bicicleta, quase que deixo transparecer toda minha ira infantil e egoísta.

Há outras lembranças, contudo nenhuma imagem está tão fortemente marcada como a daquela manhã. Jeanine entrando e saindo do meu quarto, abri os olhos e, pela janela, lembro que me chamou a atenção as nuvens baixas e carregadas que pareciam quase tocar na janela daquele apartamento, sexto andar, no bloco em que morávamos em Brasília. Fechei novamente os olhos e dormi. Mas Jeanine, repentinamente, segurou-me nos braços e deu a notícia: “Fábio, Fábio, acorda... Papai morreu! Papai morreu!”, dizia aos prantos, enquanto me abraçava.

Há 30 anos meu pai faleceu. Hoje, começo um blog que vai trazer algumas histórias sobre ele, o Acre, minha família. Um resgate histórico, uma homenagem ao meu pai, que sempre fora o desejo de Viviane realizar, mas que a morte precoce impediu-lhe o empreendimento. A autoria “Prof. Wanderley Dantas" é também uma homenagem a ele, mas também representa um outro lado meu, uma perspectiva diferente sobre a minha própria vida, os meus pensamentos e a história do meu país.

Enfim, meu pai, sua história, sua trajetória, suas polêmicas e sua vida ocuparão a página deste blog chamada “A terra”. Porque assim vejo meu pai – terra: o imenso latifúndio de uma terra distante – Acre. Um Brasil que não testemunhei, mas que espero resgatar pela pesquisa e pelo testemunho dos sobreviventes daquele tempo. Inauguro, portanto, o Blog "O Seringueiro" prestando a homenagem aos 30 anos de ausência do meu pai. A história começa!

Foto: Meu pai é o quinto da esquerda para a direita (Fonte: Tarauacá Notícias).
Publicação autorizada pelo autor em 24/05/2012

8 comentários:

Carlos Lopes disse...

Como já disse Celêdian Assis, comentando um texto meu: ¨A inocência e simplicidade de uma criança sempre são motes interessantes para enriquecer os textos, entretanto, há que se ter doçura para narrá-los também com simplicidade.¨ O texto do amigo atendeu ao pensamento da nossa poetisa e amiga. Sou suspeito para falar porque já que, normalmente, escrevo nessa linha. No entanto acredito que todos vão ter um mesmo pensamento em relação ao seu texto e concordarão por tratar-se de uma preciosidade e de um presente aos nossos corações. Somente aqueles que dão o devido valor a vida e a família conseguem transmitir mensagens com a qualidade encontrada no seu texto. Parabéns.

Prof. Wanderley Dantas disse...

Querido Carlos, muito obrigado pelas palavras e pelo apoio. É uma honra ter meu texto nesta sua casa tão nobre.

Abraços!

Ana Bailune disse...

Uma história de vida? Não; uma história de vidaS! Se puder, envie-me o link do seu blog.

Prof. Wanderley Dantas disse...

Querida Ana, segue o meu link www.o-seringueiro.blogspot.com

Obrigado pelas palavras carinhosas.

Abraços!

Carlos Costa disse...

Caro Wanderley, emocionante sua narrativa. Seu pai deve ter origem nordestina e foi para o Acre ser "soldado da borracha", no século XIX. Se estiver certo no que afirmei leia aqui mesmo o livro O CAMINHO NÃO PERCORRIDO - a trajetória dos assistentes sociais masculinos em Manaus, mesmo que por curiosidade. Visitarei seu blog amigo. Um abraço,

Carlos Costa disse...

Copiei, quis entrar mas apareceram vários blogs com esse mesmo nome, Wanderley. Não sei qual é o seu, mande-me o link se poder para carlos_bezerra47@hotmail.com. Estou curioso. Um abraço,

Prof. Wanderley Dantas disse...

Querido Carlos, o link é esse mesmo (mas já escrevi para o seu e-mail também): www.o-seringueiro.blogspot.com

Espero que consiga acessar meu blog. Criei este espaço com muito carinho para poder também falar sobre meu pai.

Quanto a sua história sobre meu pai ser nordestino e etc, vou deixá-lo na dúvida porque muitas outras informações virão.

Agradeço as palavras e o carinho.

Abraços!

Prof. Wanderley Dantas disse...

Queridos amigos, parece que o blogger os está levando para outros lugares, talvez porque meu blog seja muito novinho. Assim, acho que o link abaixo resolve o problema para quem quer visitar-me.

http://o-seringueiro.blogspot.com.br/2012/05/30-anos-sem-meu-pai-historia-de-uma.html

Abraços!