domingo, 15 de setembro de 2013

Para você, Santim... onde estiver...


Autora Maria Mineira

Ainda tenho você em mim, no coração e nos sonhos. 
Na memória ficou o nosso último encontro. Eu chorei naquele dia. Nunca quis me despedir de você, sempre te quis por perto. Eu não desejei crescer, não queria ficar sem a sua companhia por toda a minha vida.
Centenas de cartas escrevi e joguei ao vento, na esperança de que chegassem ao seu mundo te chamando de volta. Sei que, já não sou aquela menina solitária que quando te precisava por perto subia na nossa árvore e gritava seu nome... Acreditava que vinha do céu, pois, vovô me dizia que os santos moravam lá, por isso batizei-o "Meu Santim".
Já não brinco mais de boneca, já não roubo os bolinhos de chuva de minha avó para te presentear, mas ainda sinto sua presença quando bate aquela minha insegurança. Lembra como eu temia cair do galho mais alto da árvore? Era seu lugar preferido e eu queria estar lá em cima do seu lado. Você me encorajava, segurava minha mão, me levava para junto de você e acreditava em mim mais do que eu mesma.

Sabe, meu Santim... De certa forma minha vida não mudou muito. Apenas troquei meus medos de criança por problemas que sozinha não consigo resolver. Até posso ouvir os teus risinhos meio irônicos, dizendo que agora sou adulta e não posso mais esperar Santinhos do céu para atender meus pedidos, como você fazia a tantos anos que se foram.
Hoje, acredito que você me diria que o sonho foi real, porém, seu mundo é um lugar inacessível para mim, mas eu te daria milhares de razões para perceber a diferença entre o que é real e o que não seja. Eu, melhor do que ninguém para entender, para experimentar, para sentir.
Confesso meu querido... Apesar de ser uma mulher, me sinto mais menina do que nunca, porque as crianças se sentem perdidas em mundos feitos para os adultos, e eu ando muito mais que perdida em um mundo que foi moldado para mim. Além disso, estou confusa, precisando de você.
Separados, sei que em algum lugar neste universo, você também pensa em mim. Se acaso decidir aparecer, me encontrará no mesmo lugar de sempre..., No galho mais alto da Copaíba, aquele com vista para a Serra. Lá estou quando preciso sentir o vento desalinhar meus cabelos e acariciar o meu rosto.
Um beijo carinhoso de sua amiga, daqui deste lugarzinho que chamamos de Planeta Terra.Autora: 


                                   Maria Mineira - São Roque de Minas/MG

Ilustração: Edmar Sales - Custódia/PE


          Publicação autorizada pelos  autores


3 comentários:

João Batista Stabile disse...

Oi Maria. Lindo texto, o mundo das crianças é tão puro, pena que a gente cresce. Abraço.

RebeldeS disse...

parabéns autora, outra história linda.

Patricia disse...

Parabéns Maria Mineira, adoro seus textos.