domingo, 1 de janeiro de 2012

O que escreverei nas últimas páginas do livro da vida! - Autor: Carlos Costa

Com calma, paciência, serenidade, simplicidade e muito amor à vida, começarei a escrever hoje, dia 1/12/2012, nas últimas páginas em branco que ainda me restam, a nova história de minha vida. Espero escrevê-la com sabedoria, menos revoltado, azedo, enfim, menos chato, como o fiz no ano que se foi, 2011.
Mas acho que isso não acontecerá porque sai ano entra ano e as coisas não mudam: rotineiramente ocorrem roubalheiras descaradas, liminares judiciais com a ajuda financeira de interesses escusos, políticos corruptos assumindo postos; enfim, posso até tentar mudar, mas a realidade social do Brasil não mudará! Talvez eu não mude também, embora tenha muita vontade de fazê-lo!
A nova história que escreverei nas últimas páginas em branco que ainda restam de minha vida, certamente a farei com muita mais emoção e amor no coração porque, ao acordar hoje pela manhã, encontrei em meu aparelho celular a mensagem de meu médico, Dr. Dante Luis Garcia Rivera: “Sr. Carlos, Feliz Ano Novo que este ano seja de paz e felicidade, muito amor e que todos teus projetos sejam realizados com sucesso. Deus abençoe tua família, são os sinceros desejos com muito carinho de Dante e família.” À Deus e ao médico, devo minha vida para continuar registrando nas páginas em branco que ainda me restam para novos registros.
Embora afetado em meu lóbulo de humor e emoção, não direi que essa mensagem de meu médico,  não me tenha movido minha emoção mas apenas respondi: “...e que o senhor fale pela boca de um anjo e que eu não tenha que ser hospitalizado em emergência para novas cirurgias, em 2012. Esse  é meu único desejo”.
Não que esteja relegando a um plano inferior a habilidade profissional de meu médico; ah, isso não! Mas porque eu mesmo sinto que as poucas páginas em branco do livro de minha vida estão ficando cada vez menores, quer pela idade, quer pelas duas  bactérias incuráveis que mantenho alojadas em meu cérebro, mantidas sob controle com remédios que tomo diariamente.
Mesmo assim, obrigado, Dr. Dante! Sua mensagem me deu mais ânimo para viver!
Saberei que pelas mãos de Deus, guiando as suas,  terei mais anos de vida, sim, com paz e felicidade ao lado de minha esposa e família. Embora ultimamente tenha tido poucos momentos de humor, me senti muito bem humorado quando li sua mensagem cheia de carinho, respeito e consideração. Eu, como seu mero paciente, talvez seja mais um apenas em meio de milhares de outros que o senhor os mantém em seu fichário de atendimento, continuarei sim, escrevendo até o fim, as últimas páginas em branco do curto livro que restam de minha vida! Mas...
Autor: Carlos Costa - Manaus/AM
publicação autorizada através de e-mail de 01/01/2012

6 comentários:

Carlos Lopes disse...

Sr. Carlos Costa, gostei da sua atitude. Temos que ser otimista e assim seja o seu escrito nas tais páginas do seu livro da vida.

Sandra Luiza Guedes de Andrade disse...

Como diz a música: ¨A vida tem dessas coisas olha só nós dois aqui¨. Viva a vida. Viva que estamos vivos! Enquanto há vida, temos atitude e isso Carlos Costa tem. No seu lugar eu teria entregue os pontos. Tenha fé em Deus e vai superar essa batalha ou pelo menos conseguir resultados que se traduzam em qualidade de vida. Um abraço de alguém que irá rezar por você, amigo.

Patricia disse...

Sr. Carlos Costa, imagino que na última página do livro da sua vida escreverá coisas bonitas como tem feito ao longo dos tempos.

Fabiana Lopez disse...

Ano novo tudo novo e sem mágoas! Carlos Costa, só coisas boas nas tás páginas da sua vida.

Celêdian Assis disse...

Sr. Carlos Costa, bom dia!

Lendo seu belo e comovente texto me ocorreu que, para nós que gostamos de escrever, não importa em quantas páginas se completará o nosso livro, mas o que registramos nelas, de nossas emoções, vivência, razões, expectativas, aprendizados, que por fim se traduzem em inspiração. É fácil dizer por analogia que em nossa vida se dá o mesmo, ou seja, não importa quanto tempo viveremos, mas sim o que e como vivenciamos cada momento dela. Todavia, é difícil transportar para a realidade a ideia da nossa finitude e aceitar que todo livro tem uma página final. Então o que nos resta, ao senhor que luta contra uma doença, a mim e a todos os outros seres meros mortais que não sabemos a nossa hora? Resta-nos escrever cada página de nossos livros, não como se fosse a última, mas sempre como se fosse a primeira e nela imprimirmos a nossa marca de esperança, pois e é nela que nos sustentamos e o que torna nossa alma perene. O que deseja um escritor senão eternizar suas palavras? O que deseja o homem senão tornar eternos os seus dias enquanto vive? Então que façamos do nosso livro um "best seller" e que em cada página imprimamos a nossa maior emoção, a de a estarmos escrevendo.

Eu desejo que o senhor tenha tantas páginas brancas abertas à sua frente, tantas quantas forem necessárias e suficientes para que se cumpram seus propósitos e os desígnios de Deus.
Parabéns pela sua garra, pelo seu exemplo.

Um abraço com carinho.
Celêdian

Mirian Manso de Souza disse...

Se o amigo escrever algo parecido com o Homem da Rosa em sua última página do livro da sua vida, terá escrito algo para eternidade. Um abraço Carlos Costa.