terça-feira, 10 de abril de 2012

Enfim o outono - Autor: Sonia Biasus

Afinal, hoje começa oficialmente o outono (20/03). A tendência é de refrescar, mas as previsões são ainda de calor intenso para os próximos dias. Aproveitando os últimos calorões para aquecer a alma e tentar aceitar o (in) previsível de maneira que possa provocar um crescimento natural deste ser que luta por manter a mente em alta, mas que nem sempre consegue. Com sabedoria, e muita calma nesta hora, vejo os desafios vindouros como parte de minha vida e se for para melhorar que venha, pois estou determinada a enfrentar tudo com força e coragem.

As folhas começam a amarelar e a cair e com elas o meu ânimo também parece não suportar as intempéries dos últimos acontecimentos. Entretanto, venho recebendo vários estímulos e forças vindas de onde nem imaginei que poderia vir. São gestos que nos fazem refletir e ver que ainda há razões para lutar. Nem sempre são atitudes, porém algumas palavras parecem soar em nosso íntimo fazendo com que busquemos impulso para reagir e ao menos aceitar o que, num primeiro momento, parece sem solução.

Talvez seja um pouco de exagero natural de quem está fragilizada pelos fatos, ou talvez seja a descrença de quem não consegue ver que pode ter alguém em pior situação e insistir em ver apenas o próprio umbigo. Quando paramos para pensar vimos que tem fatos muito mais tristes e sem solução. Quando ainda há solução é porque é hora de lutar com todas as forças possíveis, porque Deus dá o peso conforme a força.

No entanto, não me sinto culpada por pensar momentaneamente no pior, pois a vida tem sido muito dura comigo, tenho buscado forças para viver incessantemente e, me parece que, quanto mais eu luto mais desafios aparecem. Conquisto as cosias que pretendo a duras penas, e não estou me lamentando, afinal eu faço minhas escolhas, mesmo que impulsivamente, mesmo que me arrependendo depois, mas as escolhas são minhas.



E novamente Deus me põe a prova, apresenta o problema e eu soberbamente me desespero, me fragilizo, fico sem chão. Daí surge o desânimo e a desesperança. Depois da tempestade, já com a razão de volta á vida, percebo que há pessoas com problemas e sofrimentos ainda maiores que os meus. Vendo isso sinto vergonha por ter perdido a fé, por ter medo de lutar. Mas que venham os desafios, que venham as intempéries, me armarei com todas as armas possíveis e enfrentarei a cada uma com altivez e determinação.

Autora: Sonia Biasus

Blog: http://soniabiasus.blogspot.com/(poesias e textos literários de minha autoria)
Blog: http://sb-assessoriapedagogica.blogspot.com/(postagens da escola)
Blog: http://writermontblanck.blogspot.com (Me conta um conto?(conteúdo infantil)
Blog: http://http://transtornodohumoroubipolaridade.blogspot.com/ (informativo)
Cronista/colunista: www.revistasemlimites.com.br
Colaboradora do blog:http://gandavos.blogspot.com/
Publicação autorizada através de e-mail de 10/04/2012

10 comentários:

Ana Bailune disse...

Uma sábia percepção... há pessoas com problemas mais sérios que os nossos, sempre! Precisamos ser fortes. Mas é bom, às vezes, trancar as portas e chorar feito criança.

Carlos Costa disse...

Magnifico comentário reflexivo, Sonia. É uma pena que no Amazonas só tenhamos duas estações, subdividas em todas elas: são seis meses de chuva intensa e seis meses de sol forte; lá para o mês de setembro é que começamos a ter flores e frutos sendo colhidos!Espero que esse texto possa elevar seu baixo astral, colega! Um abraço,

Carlos Costa disse...

Sonia, relendo com um pouco mais de cuidado e atenção que de mim merece seu texto reflexivo, encontrei nele algumas palavras indiretas, remetidas aos meus problemas de saúde, as minhas 11 cirurgias no cérebro, as minhas crises de choro de vez em quando por lembrar do que eu fui e sou hoje. Podem nem ter sido escritas para mim, com endereço certo, mas eu as senti batendo dentro de meu peito como uma explosão de carinho da amiga querida. Mesmo que não tenham, muito obrigado por entender que o mundo não gira em torno de sua pessoa e, sim, que os problemas são inerentes a todos os seres que decidem viver com honestidade, dignidade e honradez, embora sem muitos recursos financeiros hoje, com minha precoce aposentadoria por invalidez. Um abraço em seu coração, bjs

Writer Montblanck disse...

Obrigada Ana por sua leitura e palavras...realmente qdo me sinto assim "fecho a porta" e choro isso parece ser uma válvula de escape. por hora funciona. mas ela sempre volta. Um beijo grande em seu coração querida.
Sonia Biasus

Writer Montblanck disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Writer Montblanck disse...

Bom dia meu amigo Carlos. Quando eu escrevo o faço para por pra fora os sentimentos que estou tendo naquele momento e que bom que outras pessoas assim como o amigo conseguem se ver nas minhas palavras. Minha intensão é realmente essa, escrever o mais simples possível para outras pessoas se vejam no que escrevo e o amigo já havia me comentado que parece que escrevo pensando nos seus problemas. Quem sabe não é mesmo? É que todos temos tantos problemas que alguns se parecem. Eu estou indo para mesmo caminho que o seu...talvez uma aposentadoria por invalidez...Um grande abraço meu amigo amazonense. Ah... que pena que vcs não têm todas as estações do ano ali...aqui curtimos todas e muitas vezes todas no mesmo dia (heheheh).

Writer Montblanck disse...

Corrigindo:

onde lê-se : "a mente em alta, ma que nem sempre consegue", faltou um S na palavra MAS. Me desculpem.
Sonia Biasus

otilia cristina disse...

AS HORAS MAIS DIFICEIS SÃO ESSAS EM QUE NOS VEMOS SEM SAIDA E ACHANDO QUE TUDO ESTA ACABADO.
TODOS NOS PASSAMOS POR ESSES PROBLEMAS ACHAMOS QUE SOMOS OS UNICOS ..QUE OS NOSSOS SÃO OS PIORES PROBLEMAS E NOS DEPARAMOS COM MAIORES PELO MUNDO MAS MESMO ASSIM SOFREMOS OS NOSSOS E COM RAZÃO EU ACREDITO.

EU TENHO UMA AMIGA QUE PERDEU UM FILHO AOS 24 ANOS EM UM ACIDENTE ..TEM 3 ANOS ...UM DIA ESTAVA EU CHORANDO PELA PERDA DE UMA CACHORRA QUE EU AMAVA MUITO E ELA ESTAVA AO MEU LADO DAI EU ME VIREI A ELA E DISSE
AMIGA EU AQUI CHORANDO POR UM CACHORRO E VOCE COM ESSA DOR DE PERDER UM FILHO ?
ELA ME DISSE

OTILIA CADA UM CHORA A DOR QUE TEM E A SUA É TÃO DOR QUANTO A MINHA

ENTENDI NAQUELE MOMENTOS QUE DORES SÃO DORES E CADA UMA TEM A SUA DIMENSÃO...NÃO IMPORTA ACHAR DORES MAIORES PELO MUNDO SE A QUE DOI ESTA DENTRO DE NÓS
DESANIMAMOS PENSAMOS EM DESISITR MAS VEM UMA FORÇA TÃO IMENSA DE DENTRO DE NÓS QUE NOS LEVA A VIDA... E A LUTA DIARIA PELA CURA DAS NOSSAS DORES.
QUE A SUA DOR SEJA AMENIZADA COM O PODER DO AMOR QUE É O UNICO QUE CURA TODAS AS DORES DO MUNDO

ABRAÇOS SONIA
BELO E SENSIVEL SEU TEXTO
OTILIA LINS

otilia cristina disse...

AH E QUANTO AO OUTONO ..COSTUMO PENSAR QUE ELE É UMA ESTAÇÃO DE RECLUSÃO...DE RECICLAGEM ONDE DEPOIS DE VIVER EM PRETO E BRANCO UNS MESES SAIMOS MAIS COLORIDAS PARA A VIDA DE VOLTA
ABRAÇOS

OTILIA

Writer Montblanck disse...

Obrigada pelas sábias palavras Otilia. realmente "dor" todo ela é dor e todas com tamanha intensidade que nos faz perder a razão.
Beijos no seu coração e que Deus esteja sempre contigo.