segunda-feira, 26 de maio de 2014

Texto: 31 (do concurso) - O louro e o seminário

Antigamente havia os seminários: colégios particulares católicos para onde meninos que supostamente tinham  “vocação” para padre, eram enviados para aprender latim, grego e tudo mais que era necessário para a missão. Normalmente eram enviados para as instituições com a idade de 10 anos, época em que  se iniciava o antigo “curso ginasial”. Obviamente, com essa idade, a vocação, quando existia, não era dos meninos, era dos pais. Em muitos casos, alguns garotos eram matriculados porque, afinal, os seminários eram excelentes escolas e , além do mais, quase sempre, grátis. Naqueles tempos difíceis para muitas famílias, talvez essa fosse a única esperança de se obter uma boa formação para os rebentos.
Foi o que aconteceu com o pequeno Fábio. Pais simples, mas desejosos de que o pimpolho fosse algo na vida, mandaram o mesmo para um seminário distante. Estava estabelecido que as visitas só poderiam ocorrer duas vezes por ano. Dureza. Fábio ainda era muito criança para isso. Naquela época todo mundo ficava muito tempo junto.Mães em casa trabalhando e  o pai voltando às 4 da tarde. Vida de família, refeições em conjunto sempre que possível. Um tempo que não volta mais ( nem as coisas boas, nem as coisas más...).  O menino estivera sempre por ali, a mãe chamando para tomar o café, para almoçar, para ir até a padaria comprar o pão...Brincadeira de bola, de taco, bolinha de gude, pipa...Agora lá estava o pequeno Fábio confinado num prédio sombrio, distante...talvez esteja exagerando, mas que era triste, era. Estava me esquecendo do papagaio que eles tinham em casa e que eles chamavam com o nome óbvio de “Louro”. O danado repetia tudo...E a mãe de Fábio falava  as mesmas frases todos os dias. “Fábio, vem para casa!”, “Fábio, vem tomar banho!”, etc., etc....
Foi uma tristeza nos primeiros dias e para dizer a verdade, nos dias e semanas e meses a seguir, também...Uma tristeza e uma saudade que, ao invés de diminuir, aumentavam. Mas os primeiros dias foram mais agudos, mais dolorosos,  por causa do Louro. Ninguém esperava que ele fosse fazer aquilo. Era inteligente, sabia que o Fabinho tinha saído. Como é então que, sem mais nem menos, durante o dia, começava a gritar: “Fábio, vai buscar o pão!”  Dali a pouco: “Fábio, vem almoçar!”. Se a Dona Amélia não estava chamando,  por que o danado estava tomando a iniciativa de gritar daquele jeito? A obrigação dele era só repetir, não tomar a iniciativa...E o danado berrava: “ Fábio, vem tomar banho!” Ele não queria nem saber se o Fabinho estava no seminário. O menino tinha de cumprir suas tarefas e ele a sua, de chamar, chamar...Isto  não seria tão triste assim se não fosse o estado emocional de Dona Amélia e do pai de Fabinho. Não era fácil, aquela dor de saudade no peito e o malandrinho do papagaio gritando, gritando...lembrando o tempo gostoso em que a família toda estava junta. Dona Amélia não conseguia segurar as lágrimas que vinham aos borbotões toda vez que o Louro abria a boca, quero dizer, o bico. Não disfarçava e podia se ouvir o choro de longe. O marido era mais durão. Nunca ninguém vira uma lágrima em seus olhos. Quando o papagaio gritava, ele disfarçava, ia até a sua oficina de carpinteiro – eu me esqueci de dizer, ele era um marceneiro igual a José, pai de Jesus – e ficava lá, com uma ferramenta qualquer, disfarçando...Se você pudesse entrar lá sem ele ver, você iria notar que o pai de Fabinho, estava chorando lágrimas ainda mais grossas do que as de Dona Amélia, se é que isso é possível. Mas, você sabe, naquela época, os homens não podiam chorar...Coitado do Sr. Benevides...Que tristeza!

2 comentários:

Anônimo disse...

(Padrão usado em todos os textos comentados para dar a todos um tratamento igual). Fazendo pois uso dos critérios apontados no regulamento, deixo aqui minha impressão: ortografia, gramática e pontuação: se há erros desta natureza, não consegui perceber durante a leitura. A narrativa é interessante, mas não saberia dizer se está dentro da proposta do concurso (observando o requisito de demonstração de afeto pelo animal), porém não cabe a mim julgar esta questão, apenas deixar aqui uma opinião sobre os textos do concurso. Avaliação pessoal: entre regular e bom. Parabéns à autora ou ao autor e boa sorte! (Torquato Moreno)

Alberto Rocha disse...

Muito bom texto, com imagens literárias bem construídas, grafia e gramática dentro dos padrões, mas a história está fora dos parâmetros do concurso. Parabéns a quem o produziu.