quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Tabira da minha infância - Texto de Carlos Lopes

(...A Tabira que conheci na minha infância ainda aflorava no seu entusiasmo da juventude e como seria natural tinha também suas carências. Morar por aqueles lados do Alto do Pajeú significava viver isolado e renegado dos privilégios destinados às cidades mais próximas da capital).

Texto retirado para compor livro

Carlos Lopes







Autor: Carlos Lopes - Olinda/PE

2 comentários:

Drica disse...

Conheci Tabira há algum tempo. Fui à festa da Padroeira, Nossa Sra. dos Remédios. Adorei, especialmente pela ênfase à cultura regional que, apesar da simplicidade, esbanja capricho e alegria. Vários foram os recitais de poetas, violeiros etc. Ao ler seu texto fico imaginando a saudade danada de acompanhar tudo isso bem de pertinho.

Carlos Lopes disse...

Então Adriane, Tabiba tenm uma coisa muito interessando que é manter viva suas tradições. E por aí caminham versos e violas, festas do gado, ou mais precisamente, comovocê mesma diz, preserva a cultura regional. Tabira é minha cidade de nascimento e Custódia a minha cidade do coração. E ainda conto com Recife e Olinda! É muita cidade boa gente.